De la cruz

mundo nuevo


Finalmente pudo desprenderse
De esa cruz baúl baldosa roble
Que llevaba en su corazón
Y las ventanas del baldío
Se entreabrieron y entró
La luna el sol los sonidos
Las pasiones las violencias
los gestos
Se empachó de repente
Con montones de orgías
Y colores y presos que escapaban
De otros mundos de allá

Las cornisas no existen
En el Mundo nuevo.

Anúncios

5 comentários em “De la cruz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s